Está chovendo hoje em Belo Horizonte. Chuva esperada, desejada!

Os últimos dias, extremamente secos, fizeram este desejo nascer. Uma alegria quase infantil foi o que senti quando percebi a precipitação das primeiras gotas!

Alegria quase infantil… Qual foi a última vez que você sentiu-se assim?

Tenho pedido a Deus, há algum tempo, que me ensine a viver e desde que comecei a fazer esta oração tenho redescoberto pequenos prazeres!

A pós modernidade nos empurra, goela abaixo, um estilo de vida vazio e decadente onde perseguir status, posição e coisas é mais importante do que apreciar a simplicidade dos pequenos momentos e a companhia das pessoas.

Mas eu pertenço a Deus, logo, não tenho que engolir o lixo que o século me oferece.

Posso me deliciar com a chuva; assentar-me para uma refeição em família longe da televisão…

Posso deixar a casa bem limpa e cheirosa e passear descalça por ela; prestar atenção aos sabores; fazer e receber cafuné; abraçar, beijar e cheirar só pra dizer “Eu te amo” no final…

Eu posso parar pra ver o sol se por; serão apenas alguns minutos…

Eu posso me irritar sem deixar que isso envenene a minha alma e posso chorar pra mandar embora todas as dores que eu não quero dentro de mim; posso visitar quem amo e ter a alegria de dividir um pedaço de pão com manteiga ou, quem sabe, um bolo caseiro que perfuma a casa inteira…

Eu posso ouvir as pessoas, desligar o automático e sorver a vida, vida abundante que Jesus conquistou pra mim!

Eu não preciso de mais nada a não ser aprender com o Apóstolo Paulo a me contentar com o que tenho, afinal, posso todas as coisas Naquele que me fortalece!

Quer uma sugestão? Tire os sapatos, afrouxe a gravata, sinta o cheiro da vida, desligue o automático, você não é um robô, não espere dias secos para se lembrar que a chuva é importante, deixe o amor de Deus hidratar você e te ensinar a viver!

Aproveite o dia, meninada!

Helena Tannure.

« »