Olá queridos, hoje quero compartilhar com vocês uma experiência maravilhosa que vivenciei ontem com minha família!
 
Nós, como pais tentando acertar, cometemos graves erros; nos desdobramos para proporcionar aos nossos filhos tudo o que não tivemos, queremos protegê-los, presenteá-los e acabamos exagerando.
 
O resultado disso, na maioria das vezes, são “pessoinhas” mimadas, egoístas e que não sabem lidar com o não. Fatalmente se tornarão adultos despreparados para a vida.
 
Ultimamente nossos passeios semanais em família têm se restringido aos redutos mais comuns como Shopping, cinema, lugar de jogos e o tradicional MacDonalds; mas ontem resolvemos fazer diferente!
 
Assim que expus meu plano senti espanto e certo desânimo nos olhos da minha turminha, mas não fui intimidada!
 
Pegamos um ônibus e rumamos para o Centro de Belo Horizonte. Como todo centro de metrópole, você pode imaginar barulho, sujeira, trânsito intenso de veículos e pessoas, algo não muito frequente na vida de nossos filhos!
 
Assim que descemos do ônibus eles queriam saber nosso destino. Eu e o João, despreocupadamente respondemos: Vamos andar por aí…
 
Logo na esquina próxima conhecemos o Sr José Luis, deficiente visual que, animadamente vendia, entre outros apetrechos, cadarços coloridos! Eu disse para as crianças: Quem quiser comprar cadarços coloridos em BH, só aqui no Centro! Não encontramos nos Shoppings. Muito interessados, logo começaram a escolher, era o princípio da aventura!
 
Em seguida passamos pela minúscula loja onde eu havia comprado os chapéus para minha mãe e sogra e minhas luvas que usamos em meu casamento! Hoje, a loja é especializada em artigos teatrais, o que gerou bastante animação e compras originais!
 
Passamos também pela loja onde fiz o enxoval pessoal do João Lucio, em frente ao prédio onde, na adolescência, eu frequentava o dentista.

Depois entramos em uma pastelaria popular onde minha mãe me levava quando era criança, apresentamos a eles lugares onde aconteceram fatos divertidos quando ainda éramos adolescentes, paramos para lanchar no primeiro MacDonalds que entramos em nossas vidas e finalizamos o passeio visitando o hotel onde eu e o João tivemos nossa noite de núpcias, inclusive pudemos entrar, com eles, dentro de um dos quartos!
 
Tudo isso cercado de muitas histórias e lembranças!
 
Quando terminamos o passeio eu tinha a certeza de que tinha dado aos meus filhos muito mais que diversão, tinha compartilhado com eles mais um pedaço da nossa história antes deles!
 
Para descobrirmos aonde desejamos ir é importante saber de onde viemos. Foi maravilhoso ouvir da Clara, a mais velha: Este foi o melhor passeio que já fizemos!
 
Uma convicção se confirmou em meu coração: Patrimônio não é o maior legado que posso deixar para os meus filhos; as experiências que proporciono a eles, essas sim, são matéria prima para que eles construam sua própria história!
 
Pense nisso! O tênis de marca ou o celular podem ser levados pelo assaltante, mas as histórias e vivências ninguém pode tirar de quem você ama!
 
Grande abraço, Helena Tannure.

« »